Sensações que salvam relações

Compartilhe:
Share

Fonte: Folha da Região – Fernanda Mariano

Criar e preservar lembranças de momentos agradáveis podem reforçar e fortalecer o vínculo nos momentos difíceis e nos conflitos.

O momento em silencio observando as estrelas; o riso compartilhado ao aprender coisas juntos; uma mensagem ou ligação carinhosa de surpresa no meio do dia, um olhar sedutor lançado no meio de um  jantar; a simples viagem de fim de semana, a espera por uma chuvinha. Alguns momentos podem ficar registrados para sempre. Aconteça o que acontecer, essas situações especiais são eternizadas e podem servir de base para o enfrentamento de crises e desacordos.

Para construir uma relação que sobreviva aos problemas normais de qualquer relacionamento é necessá­rio criar lembranças fortes, pois são elas que vão reforçar e fortalecer o vínculo nos momentos difíceis e nos conflitos. Esse é o conselho da con­sultora pessoal Heloisa Sundfeld, pro­fessora e fundadora da Help Personal Assistant, de São Paulo.

CUIDAR
“Investir no relacionamento é valorizar os bons momentos que vive mos juntos e não contabilizar os mo­mentos desagradáveis”, destaca. He­loísa frisa que as dificuldades sur­gem, mas que a delicadeza existente numa relação pode ajudar na manu­tenção da mesma.
A profissional comenta que, atualmente, as pessoas têm sofrido di· versos tipos de pressões, seja profis­sionais ou sociais – como a violência que as atormentam e impedem de enxergar as situações do dia a dia.
Viver no “automático” significa estar desatento às pequenas sensações que edificam qualquer tipo de união, “É preciso criar situações em que o ca­sal possa passear de mãos dadas e tro­car experiências. É preciso ter no outro um amigo em quem você possa se apoiar nos momentos difíceis e estar sempre pronta a dar seu apoio”

HÁBITO
Manter um relacionamento saudável é como cuidar de uma plan­ta, de acordo com Heloísa. “Se você colocar água apenas quando lem­brar, não fizer disto um hábito, a planta irá morrer ou não terá o vigor esperado. Em se tratando de relacio­namentos, o resultado não será con­quistado colocando água, e sim, com algumas atitudes.”
Heloísa lembra que ser feliz é um estado de espírito individual. “Não é razoável imaginar que nosso companheiro nos satisfaça completa­mente, assim como não podemos fa­zer o mesmo. Amar é compartilhar e nunca depender do outro para ser fe­liz, cada um deve ter sua individuali­dade preservada, mas nunca esquecer que o casamento é a união de duas pessoas que compartilham uma vida, que não devem se anular em função do outro.”

AUTO-ESTIMA
A profissional ressalta que, quanto mais os indivíduos gostam de si mesmos, mais felicidade interior te­rão e maiores condições de manter uma união harmoniosa e feliz.
Entre outros aspectos que po­dem ser melhorados ao se pensar em viver pequenas cenas de novela du­rante a vida real está o resultado des­ta atitude na rotina da família. “Investir no relacionamento é o melhor in­vestimento para uma vida familiar tranquila. É em momentos a dois que resgatamos velhas lembranças, conseguimos reciclar nossa união, ter um diálogo sobre algo que ficou pendente e, com a corrida cotidiana, nem havíamos percebido.”

ADMINISTRANDO O NAMORO E OS FILHOS
Os relacionamentos passam por diferentes fases, mas o ideal é que o namoro permaneça em todas elas. A consultora pessoal Heloísa Sundfeld admite que quando o casal tem fi­lhos, momentos românticos a dois podem ser mais difíceis de administrar. Se as crianças são pequenas, a aten­ção tende a ser só para elas. E quando crescem só mudam os problemas, mas o trabalho é o mesmo. “Por isso, não adianta adiar o namoro, deixar para quando as crianças crescerem se formarem; muitas vezes, quando isso acontece, quando os filhos dei­xam a casa dos pais, esses se veem co­mo estranhos. Dê prioridade ao rela­cionamento com seu companheiro em detrimento dos filhos. Essa consi­deração parece uma coisa absurda, mas devemos pensar que, se a rela­ção do casal está boa, tranquila, os fi­lhos vão perceber e se sentirão bem. Cuidando da relação, o casal irá dar aos filhos um exemplo de harmonia e companheirismo: imagens que fica­rão gravadas na memória e que servi­rão de parâmetro para o futuro.”

CONTINUIDADE
Para esse envolvimento contí­nuo, a profissional dá algumas dicas. Entre elas, o fortalecimento da since­ridade na relação, respeitando os limi­tes do outro. “Por exemplo, não faça cobranças de coisas ou atitudes que lhe de­sagradam como o fato do outro traba­lhar demais ou de ficar vendo televi­são e não lhe dar atenção. Espere o momento oportuno e diga o quanto você sente a falta dele, que gostaria de trocar idéias sobre os aconteci­mentos do dia de ambos, Faça essas considerações de maneira carinhosa para que ele perceba o quanto a companhia dele é importante para você,”

Ela lembra que mesmo as coisas pequenas que desagradam, se fo­rem repetidas muitas vezes, podem se tornar muito importantes, se tor­nando a famosa gota d’água que transborda o copo, Por isso, a neces­sidade do diálogo.

Para construir uma relação que sobreviva aos problemas normais de qualquer relacionamento, é necessário criar lembranças fortes.

Compartilhe:
Share
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *